Financiamento público de campanha avança em reunião com Lula

Clipping

HERMANO FREITAS

O financiamento público para as futuras campanhas políticas foi ponto de consenso e avançou em uma reunião sobre reforma política nesta sexta-feira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com partidos da base aliada em São Paulo. Segundo participantes, além de campanhas bancadas com dinheiro público, foi discutida a redução do mandato dos senadores e a diminuição da idade mínima para deputado, entre outros pontos.

Relator da proposta de reforma política na Câmara, o deputado Henrique Fontana (PT-RS) disse que o sistema político do País é corrompido na sua essência pelas doações de empresas a campanhas políticas. “As campanhas deixaram de ser um embate de ideias e passaram a ser uma competição de quem mais arrecada”, disse. De acordo com o parlamentar, os custos totais nas últimas disputas cresceram na razão de 120% entre uma eleição parlamentar e outra.

“Saímos de R$ 200 milhões em 2002 para R$ 400 milhões em 2006 e R$ 900 milhões em 2010”, disse. Ele ainda afirmou que as empresas doadoras sempre deduzem o valor doado dos custos finais dos produtos ou alimentam estas verbas com esquemas de corrupção, o que joga a despesa final para a população. “Quem pensa que há financiamento particular que não se engane, não há empresa que deduza doação do patrimônio do diretor”, declarou.

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), disse que a questão do financiamento público foi um “tema central” da discussão de reforma política entre os partidos. O presidente do PT, Rui Falcão, declarou que evitar a corrupção pelo financiamento público “uniu todos os partidos” e e disse que as doações particulares no futuro, caso hajam, teriam que estar condicionadas à impessoalidade. “Doa-se ao partido, não a determinado candidato”, disse.

Ainda de acordo com Fontana, discutiu-se a possibilidade de uma maior participação da sociedade na elaboração de projetos de lei através de assinatura digital pela internet, facilitando a tramitação das propostas. Atualmente exige-se a participação de 1 milhão de internautas, número que passaria a ser de 500 mil. Além disso, entre outras sugestões que foram consenso entre os partidos, a idade mínima para se tornar deputado deixaria de ser 21 anos e passaria a ser 18.

A reunião aconteceu em um luxuoso hotel na zona sul da capital paulista e contou com a participação de André Figueiredo, pelo PDT, Renato Rabelo, pelo PCdoB, Rui Falcão pelo PT e Eduardo Campos, pelo PSB. O presidente Lula não fez declarações à imprensa.

Fonte: Portal Terra

OPINIÃO D & P: Amigos, a tentativa de golpe continua. Esta reforma que o Deus Sol prega é inadmissível, além de ser em causa própria. Querem fazer a Reforma Política, então comecem pelo apoio ao Voto Facultativo e Distrital Puro além da redução do mandato dos Senadores, passando ainda pela legislação referente a criação de novos partidos. Sem discussão sobre estes pontos, não há como se fazer uma reforma que realmente seja do interesse da sociedade!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s