Brasil ocupa espaço deixado pelos EUA na América do Sul, diz Economist

O Brasil tem ocupado o espaço deixado pelos Estados Unidos na América do Sul, diz artigo publicado nesta sexta-feira na revista britânica The Economist, embora os americanos mantenham “influência e interesse vital na região”.

O texto analisa as relações entre os Estados Unidos e a América Latina e conclui que a política americana para a região tem sido prejudicada pelas disputas domésticas no Congresso americano e aberto espaço para outros atores. “O Brasil com frequência tem maior peso em grande parte da América do Sul”, diz.

O texto lembra que no início do mandato, o presidente Barack Obama prometeu “uma nova era de parceria” entre as Américas. Mas o fato de Obama ter de lidar com “outras prioridades, tanto no exterior quanto em casa, e eventos na região, como o golpe de Honduras (…), reavivaram velhos debates”, diz a Economist.

A revista menciona que em julho, a oposição republicana suspendeu o financiamento dos EUA para a OEA (Organização dos Estados Americanos). “Os conservadores não gostaram (da atitude) do secretário-geral da OEA, o social-democrata chileno José Miguel Insulza”.

Inzulza irritou os americanos por suspender Honduras da OEA logo após a derrubada do presidente Manuel Zelaya e por defender a volta de Cuba à organização. Embora a OEA “não inspire muita confiança em Washington”, trata-se do único grupo que inclui os EUA, enquanto outros exclusivamente latinos proliferaram nos últimos anos.

Mudança

A Economist também cita os TLCs (tratados de livre comércio) firmados entre os EUA com a Colômbia e o Panamá, que aguardam aprovação do Congresso americano. “Assuntos que importam muito à América Latina – drogras, migração, comércio e Cuba – são hoje determinadas pela política doméstica” dos EUA, diz.

A insatisfação ficou explícita na declaração do presidente do México, Felipe Calderón, que disse que os EUA também eram “responsáveis” pelo atentado de narcotraficantes que deixou 52 mortos em um cassino no país. O governo mexicano cobrou dos vizinhos maior controle no comércio de armas.

“Enquanto os EUA são restringidos por disputas domésticas, a América Latina está mudando rapidamente. Uma década de crescimento econômico, comércio pulsante com a China, democracias mais fortes e o advento de governos de centro-esquerda têm ajudado a fazer a região mais assertiva”, diz.

“Em nenhum lugar isso é mais verdadeiro que no Brasil”, diz a Economist, ressaltando, no entanto, a relação “distante e desconfiada” entre os dois países, citando a tentativa fracassado de Brasília de mediar a crise nuclear do Irã (sem apoio americano). A boa relação de Obama com Dilma Rousseff, no entanto, pode “construir laços mais estreitos” entre ambos, diz a revista.

Fonte: BBC Brasil

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s